Www.nyc.gov/ess

nycCoronavirus

2020.03.04 00:00 redlollipop nycCoronavirus

Please post information related to the outbreak of novel coronavirus in New York City.
[link]


2011.04.14 18:06 scoofy NYCbike: Cycling news and info for NYC

A resource for NYC-specific cycling events and information. Bike news that is not relevant to the New York area should be posted to /bicycling or /cycling instead. This is a great place to post and find group rides, questions about NYC cycling and bike shops, infrastructure changes, and cycling-related news. New to riding in the city? We'd love to help you get started!
[link]


2020.02.12 20:12 stebany CoronavirusUS

USA/Canada specific information on the coronavirus (SARS-CoV-2) that causes coronavirus disease 2019 (COVID-19)
[link]


2023.03.29 23:41 whyohwhy115 New York or New Jersey experts of r/bangtan! What advice and recommendations do you have for ARMY visiting NY/Newark for the SUGA Agust D Concert!

In a few weeks a lot of fans from all over the country/world will be in New York/New Jersey to see SUGA! Help an ARMY out and let them know about safety, how to get around, where to eat, BTS related things to do or places that BTS has been to before in NY and NJ or anything else that you think someone should know when they come visit!
I heard the concert capacity of these arenas is about 18000! Hmm x 3 dates‚ĶI am excited to see at least 54,000 recommendations from all of you ūüėÖ
Are you ARMY visiting NY or NJ and have questions about the city? Feel free to ask in the comments below!
I will be compiling suggestions in this post! Let's create our own bangtan guide to New York and New Jersey!

Places BTS has visited/food they ate

New York
New Jersey
  • Hamilton Park, NJ - Lovely view of Manhattan skyline as seen here with BTS and RM

Shopping

New York
New Jersey
  • NCharacterHouse, Kpop store in Fairfield, NJ. Albums/ BT21 stuff
  • American Dream Mall - Rutherford, NJ. A few Korean stores inside including HMart (which has 2 aisles of BT21 stuff) and Aland. (There is a Jollibee)
  • The Mills (Outlet mall)

Must see/do in NY/NJ

New York
  • MET Museum - Buy your ticket on-line to avoid long lines. Use the South entrance it's less crowded
  • Watch a Broadway or off Broadway musical
  • Grab a NY slice of pizza or a hotdog from a cart
  • Jog, run or walk around Central Park (Buy water outside - it's expensive inside the park)
  • Go to Brooklyn Bridge
  • Walk the Highline
  • See the Statue of liberty, take the Staten Island ferry
  • NY Public Library (it's free!)
  • MOMA gift shop (separate to the museum) is worth a look for great presents/cool clothing items
  • Visit Jung Kook's billboard in Times Square! (if it is still there then)
  • See a Yankees or Mets game
New Jersey
  • Newark Museum of Art

Where to eat

Please also see comments below for more recommendations!
Bagels/Deli/Breakfast/Brunch
New York
Pizza
New York
By the slice:
Sit down
Asian Food
New York
New Jersey
  • Cast Iron Pot - Little Ferry, NJ. AYCE KBBQ. Be early if you want a table on the weekends! The wait can get long
  • Garden Shabu - Little Ferry, NJ. AYCE hot pot buffet
Mexican Food/Tacos
New York
  • Los Tacos No.1 - Get the al pastor tacos! Right around the corner from the Line Friends Store. Tacos then shop!
Dessert/Pastries/Bakery/Cafe
New York
  • Levain - Chewy, giant cookies
  • Bibble & Sip - coffee and cute desserts
  • Daily Provisions - Breakfast sandwiches and grab a maple cruller. There are a few locations in NYC
  • Dominique Ansel - The April Cronut is Blackberry Jam & Coconut Ganache. DKAs and madelines are also yummy!
  • Venieros - Italian pastries, cheesecake
  • Breads Bakery - Buy a babka or 2, pack in your bag, keeps for a week unrefrigerated!
  • Magnolia Bakery for banana pudding. Across the one at rockefeller center is where Adels Famous Halal food cart parks. If you get the timing right you can have both lol
Boba/Bubble Milk Tea
New York
  • Xin Fu Tang - Brown sugar milk tead or some boba soft serve!
  • Gong Cha - various locations
  • Boba Guys - try the Hojicha with almond jelly!
  • Lazy Sundaes - Try some hojicha drinks, strawberry matcha, and cereal injeolmi
Others
New York
New Jersey
  • Ferry Street BBQ - Newark, NJ. Portugese BBQ place

WeatheWhat to wear

  • Weather in April - Highs of 66F/18C - Lows of 42F/5C for that time of year but please check closer to the dates
  • Be prepared for light showers/can get chilly

Safety Tips

  • Don't walk around alone at night especially in unfamiliar areas
  • Please be vigilant of your surroundings whether alone or in a group

How to get around/ Driving Tips

  • Mostly paid parking unless you get lucky with free street parking. Parking structures are really expensive in NY
  • Check the signs on the curb to make sure you're allowed to park
  • Take public transport when possible. Taxis and ubeLyft might be difficult to get after the concert
  • PATH NJ - Rail connection between NY and NJ
  • NJ Transit - Bus, Rail, River

Airports

Misc

  • Plan your itinerary, use Google maps/Apple Maps/Waze to calculate how long it will take you to get to your destination and check traffic conditions.
  • Download the Citymapper app to your phone to get around. If you take the subway, it‚Äôll show you how to get to the subway stop and where to stand on the train (front, middle, back).
  • Make restaurant reservations ahead of time if possible to avoid long wait times
  • If you're planning to visit a museum, make sure to check if they're open on the day you want to visit and book your tickets ahead!
I will be adding your suggestions to the list!
submitted by whyohwhy115 to bangtan [link] [comments]


2022.09.05 17:04 nycEMT Welcome to r/FDNYEMS. Please read before posting. FAQ and guidelines.

Welcome to FDNYEMS. Please read before posting. FAQ and guidelines.

Welcome to FDNYEMS

FDNYEMS is a subreddit for news and questions about the EMS 911 system in NYC. Particularly FDNY EMS but all NYC EMS questions, news, information, etc are welcome. This sub is not an official subreddit for the FDNY and is not affiliated with no city agency or company.

Most needed websites

FAQ

Questions about the following constantly gets asked. We ask, if your topic is mentioned below, head to the monthly thread which is stickied and ask further. DO NOT MAKE AN INDIVIDUAL POST. Upcoming Academy, Exams, Interview, Investigations, List number, Medical, Orientation PAT, Psych, Salary. The reason for this is to make this sub more easy to navigate. Unfortunately, those who constantly do not adhere to the rules can be temporarily banned, or banned for good. We expect everyone to read the rules and regulations as our MOD team is just one.
REMEMBER: This is an EMS sub. STRICTLY EMS We know nothing about FIRE. When the promo is out, we will have dedicated threads in relation to it. Until that happens, refer to FDNY for fire related questions.

Social Media Links

submitted by nycEMT to FDNYEMS [link] [comments]


2021.06.01 05:13 Felipevelloso Porque as manifesta√ß√Ķes de s√°bado foram seguras

Do ponto de vista epidemiológico, os protestos deste final de semana são mesmo muito diferentes e incomparáveis com aqueles realizados pela direita no Brasil.
Mas afinal, nós temos evidências para defender essa posição?
Por mais arriscado que seja produzir afirma√ß√Ķes sobre o Coronav√≠rus, mesmo ap√≥s um ano de pandemia, foram feitos alguns estudos sobre o cont√°gio do v√≠rus em manifesta√ß√Ķes e acredito que temos negligenciado a sua an√°lise.
Quando os Estados Unidos viram eclodir as manifesta√ß√Ķes do Black Lives Matter em maio de 2020, o pa√≠s j√° se encontrava no centro do "furac√£o" da Covid no mundo. Subitamente, os setores progressistas de l√°, que praticavam isolamento social e criticavam as manifesta√ß√Ķes trumpistas anti-lockdown, sentiram-se obrigados a tomar as ruas. Na √©poca, os epidemiologistas ficaram divididos sobre qual estrat√©gia seguir, como relata este artigo do NY Times (https://www.nytimes.com/2020/07/06/us/Epidemiologists-coronavirus-protests-quarantine.html ).
Apesar da contradi√ß√£o, o Movimento Negro e outros setores progressistas apostaram na tomada das ruas, usando como diferencial a utiliza√ß√£o de m√°scaras e outros EPIs durante os protestos. O resultado? N√£o houve um crescimento aparente nos casos de covid por conta dos protestos contra a morte de George Floyd. Algo que o pr√≥prio New York Times reconhece em julho de 2020 (passados mais de um m√™s das manifesta√ß√Ķes de rua mais intensas). https://www.nytimes.com/2020/07/01/nyregion/nyc-coronavirus-protests.html
Que estudos temos hoje sobre cont√°gio ao ar livre e sobre o uso de m√°scaras?
As pesquisas neste √ļltimo ano parecem deixar claro que qualquer atividade ao ar livre √© muito mais segura do que uma atividade dentro de algum lugar. Segundo um estudo publicado no in√≠cio de 2021 ( https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/945978/S0921_Factors_contributing_to_risk_of_SARS_18122020.pdf ), locais abertos dispersam e diluem as part√≠culas virais rapidamente, e at√© mesmo o sol pode ajudar a matar o v√≠rus rapidamente nestes momentos de exposi√ß√£o ( https://academic.oup.com/jid/article/222/2/214/5841129 ).
Dois estudos importantes e pertinentes devem ser mencionados aqui sobre exposi√ß√£o ao ar livre: o primeiro foi produzido na China e j√° se encontra oficialmente publicado e revisado ( https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.04.04.20053058v1?ijkey=f375e3031901c3e8ef358444fa2874b6b683fde5&keytype2=tf_ipsecsha) onde entre 7,324 casos de Covid que foram examinados, apenas um apontava para uma contamina√ß√£o ao ar livre. Um segundo estudo um pouco mais amplo realizado na Inglaterra ( https://wellcomeopenresearch.org/articles/5-83/v1 ) que j√° passou por revis√£o concluiu que, entre 20,471 infec√ß√Ķes analisadas, apenas 461 casos poderiam ter sua origem tra√ßada para o ar livre (ainda que locais parcialmente abertos tamb√©m possam ter entrado nesta contagem).
Agora, vamos somar a estas estat√≠sticas de espa√ßo aberto o uso de m√°scaras. Segundo um experimento realizado pela Universidade de T√≥quio ( https://msphere.asm.org/content/5/5/e00637-20 ) o uso de m√°scaras de pano reduz a absor√ß√£o do v√≠rus entre 20%-40%, com uma m√°scara cir√ļrgica a redu√ß√£o √© de 47-50% e com uma m√°scara PFF2 a redu√ß√£o √© de 79-90%. O emissor do v√≠rus tamb√©m teve sua capacidade de espalhar o mesmo drasticamente reduzida, com diminui√ß√£o de 70% com uma m√°scara de pano ou cir√ļrgica e 100% com uma PFF2.
E estudos sobre grandes aglomera√ß√Ķes de pessoas em espa√ßos abertos eles aconteceram?
Sim, eles aconteceram. Temos duas pesquisas pertinentes sobre o tema, e uma delas √© excelente para avaliarmos porque a ideia de realizar a Copa Am√©rica √© uma estupidez sem tamanho. Um dos trabalhos analisou justamente o movimento Black Lives Matter e as manifesta√ß√Ķes de massa nos EUA, o outro investigou um jogo da Champions League.
Vamos começar pelo mais preocupante que fala justamente da retomada dos jogos de futebol. Os autores ( https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7273227/ ) apresentam evidências sobre casos e mortes de COVID-19 em Bergamo (Itália) após a partida da Champions League entre o Atalanta BC de Bergamo (time da casa) e o Valencia CF da Espanha no ano passado. O jogo foi disputado no estádio San Siro, em Milão, com capacidade para 45.000 torcedores, dos quais estima-se que cerca de 40.000 teriam vindo de Bergamo.
N√£o havia registros de casos de COVID-19 em Bergamo antes do jogo, mas cerca de tr√™s semanas depois a cidade j√° apresentava 1.815 casos que subiram para 8.803 seis semanas ap√≥s o jogo. Apesar disso, embora seja poss√≠vel que a partida possa ter contribu√≠do para esse n√ļmero significativamente maior de casos, ao pensar em todos os aspectos que envolviam o problema, os autores conclu√≠ram que o mais letal n√£o teria sido o momento do jogo em si, mas sim as intera√ß√Ķes dos torcedores do B√©rgamo entre si e com aqueles de fora de sua cidade natal no transporte p√ļblico, nos bares, boates e outros locais, sendo estes mais relevantes do que qualquer transmiss√£o externa no est√°dio.
Nesse sentido a Copa América pode representar um problema ao Brasil nem tanto pelos jogos em si (ainda que eu tenha dificuldades de acreditar que os torcedores no Brasil usariam máscaras corretamente o tempo todo), mas pelos outros fatores como o afrouxamento das fronteiras, o transporte de dezenas de milhares de torcedores aos estádios e etc.
E sobre o Black Lives Matter? O estudo ‚ÄúO Covid e os protestos‚ÄĚ publicado em Agosto do ano passado tentou justamente responder a este problema ( https://osf.io/qw43g/ ). Sua conclus√£o √© simples: os protestos de massa nos EUA n√£o foram associados a nenhum efeito ou a uma redu√ß√£o no crescimento de casos COVID-19. Foram analisadas as ondas de casos nos 50 estados americanos, e foi poss√≠vel aferir uma correla√ß√£o negativa entre a porcentagem da popula√ß√£o de um estado que aderiu aos protestos e os casos COVID-19 subsequentes. Ou seja, o crescimento de casos foi mais lento nos estados onde mais pessoas foram √†s ruas protestar. Os autores explicam esse fen√īmeno justamente por conta da ades√£o √†s diretrizes de uso de m√°scaras e outras formas de prote√ß√£o.
Outras possibilidades s√£o levantadas no artigo, como um aumento da percep√ß√£o de perigo por parte da popula√ß√£o (por culpa dos protestos) que as levou a ficar mais em casa, entre outras hip√≥teses. A √ļnica conclus√£o realmente concreta foi que n√£o houve um aumento da transmiss√£o de Covid-19 em meio aos protestos de massa.
Porque as manifesta√ß√Ķes do Black Lives Matter eram t√£o diferentes dos atos anti-lockdown de apoiadores de Trump?
Pelo mesmo fator que diferenciam as manifesta√ß√Ķes deste final de semana daquelas por grupos de bolsonaristas: a ades√£o a protocolos m√≠nimos de seguran√ßa epidemiol√≥gica. At√© porque as manifesta√ß√Ķes da direita, tanto nos EUA quanto no Brasil, s√£o contr√°rias a todo tipo de protocolo de seguran√ßa, seja eles m√°scara, distanciamento ou lockdown. Apesar disso, n√£o existem, ainda hoje, estudos realmente decisivos sobre amplo cont√°gio em lugares abertos. O maior perigo se encontra justamente no caminho, j√° que √© fundamental utilizar transportes onde seja poss√≠vel manter as janelas abertas e a circula√ß√£o de ar constante. Por isso, nessas ocasi√Ķes os √īnibus s√£o prefer√≠veis aos metr√īs, e os t√°xis/carros privados s√£o ainda mais seguros (e podem ser rachados com amigos).
A pesquisa realizada na Inglaterra que utilizamos anteriormente, ( https://wellcomeopenresearch.org/articles/5-83/v1 ), aponta que existe um fator de aumento nos cont√°gios quando eles ocorrem em espa√ßos abertos com muita gente (como feiras para usar o exemplo do texto) e locais parcialmente abertos (como sacadas, varandas e etc), mas podemos observar que eles s√£o pequenos e facilmente mitigados pelo uso de m√°scaras de qualidade (como ocorreu nas manifesta√ß√Ķes deste s√°bado). Ali√°s, vimos no √ļltimo s√°bado justamente um amplo movimento espont√Ęneo dos militantes que distribuiram milhares de m√°scaras PFF2 n√£o apenas para outros presentes no protesto, mas para ambulantes, pessoas no transporte p√ļblico, transeuntes, etc.
A conclus√£o que podemos chegar ao ler os estudos acima √©: ir a um protesto em um local aberto onde todos est√£o de m√°scara (ou uma ampl√≠ssima maioria) √© um gesto seguro e, no caso do Brasil, extremamente necess√°rio, j√° que sem d√ļvida alguma n√≥s temos um governo muito mais perigoso do que o v√≠rus. #ForaBolsonaro
submitted by Felipevelloso to brasil [link] [comments]


2020.07.23 10:09 diplohora Mes estudos para o CACD - Bruno Pereira Rezende

Livro do diplomata Bruno Pereira Rezende
INTRODUÇÃO
ūüď∑ūüď∑Desde quando comecei os estudos para o Concurso de Admiss√£o √† Carreira de Diplomata (CACD), li dezenas de recomenda√ß√Ķes de leituras, de guias de estudos extraoficiais, de dicas sobre o concurso, sobre cursinhos preparat√≥rios etc. Sem d√ļvida, ter acesso a tantas informa√ß√Ķes √ļteis, vindas de diversas fontes, foi fundamental para que eu pudesse fazer algumas escolhas certas em minha prepara√ß√£o, depois de algumas vacila√ß√Ķes iniciais. Mesmo assim, al√©m de a maioria das informa√ß√Ķes ter sido conseguida de maneira dispersa, muitos foram os erros que acho que eu poderia haver evitado. Por isso, achei que poderia ser √ļtil reunir essas informa√ß√Ķes que coletei, adicionando um pouco de minha experi√™ncia com os estudos preparat√≥rios para o CACD neste documento.
Al√©m disso, muitas pessoas, entre conhecidos e desconhecidos, j√° vieram me pedir sugest√Ķes de leituras, de m√©todos de estudo, de cursinhos preparat√≥rios etc., e percebi que, ainda que sempre houvesse alguma diferencia√ß√£o entre as respostas, eu acabava repetindo muitas coisas. √Č justamente isso o que me motivou a escrever este documento ‚Äď que, por n√£o ser (nem pretender ser) um guia, um manual ou qualquer coisa do tipo, n√£o sei bem como cham√°-lo, ent√£o fica como ‚Äúdocumento‚ÄĚ mesmo, um relato de minhas experi√™ncias de estudos para o CACD. Espero que possa ajudar os interessados a encontrar, ao menos, uma luz inicial para que n√£o fiquem t√£o perdidos nos estudos e na prepara√ß√£o para o concurso.
N√£o custa lembrar que este documento representa, obviamente, apenas a opini√£o pessoal do autor, sem qualquer v√≠nculo com o Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores, com o Instituto Rio Branco ou com o governo brasileiro. Como j√° disse, tamb√©m n√£o pretendo que seja uma esp√©cie de guia infal√≠vel para passar no concurso. Al√©m disso, o concurso tem sofrido modifica√ß√Ķes frequentes nos √ļltimos anos, ent√£o pode ser que algumas coisas do que voc√™ ler√° a seguir fiquem ultrapassadas daqui a um ou dois concursos. De todo modo, algumas coisas s√£o b√°sicas e podem ser aplicadas a qualquer situa√ß√£o de prova que vier a aparecer no CACD, e √© necess√°rio ter o discernimento necess√°rio para aplicar algumas coisas do que falarei aqui a determinados contextos. Caso voc√™ tenha d√ļvidas, sugest√Ķes ou cr√≠ticas, fique √† vontade e envie-as para [[email protected] ](mailto:[email protected])(se, por acaso, voc√™ tiver outro email meu, prefiro que envie para este, pois, assim, recebo tudo mais organizado em meu Gmail). Se tiver coment√°rios ou corre√ß√Ķes acerca deste material, pe√ßo, por favor, que tamb√©m envie para esse email, para que eu possa incluir tais sugest√Ķes em futura revis√£o do documento.
Al√©m desta breve introdu√ß√£o e de uma tamb√©m brev√≠ssima conclus√£o, este documento tem quatro partes. Na primeira, trato, rapidamente, da carreira de Diplomata: o que faz, quanto ganha, como vai para o exterior etc. √Č mais uma descri√ß√£o bem ampla e r√°pida, apenas para situar quem, porventura, estiver um pouco mais perdido. Se n√£o estiver interessado, pode pular para as partes seguintes, se qualquer preju√≠zo para seu bom entendimento. Na segunda parte, trato do concurso: como funciona, quais s√£o os pr√©-requisitos para ser diplomata, quais s√£o as fases do concurso etc. Mais uma vez, se n√£o interessar, pule direto para a parte seguinte. Na parte tr√™s, falo sobre a prepara√ß√£o para o concurso (antes e durante), com indica√ß√Ķes de cursinhos, de professores particulares etc. Por fim, na quarta parte, enumero algumas sugest√Ķes de leituras (tanto pr√≥prias quanto coletadas de diversas fontes), com as devidas considera√ß√Ķes pessoais sobre cada uma. Antes de tudo, antecipo que n√£o pretendo exaurir toda a bibliografia necess√°ria para a aprova√ß√£o, afinal, a cada ano, o concurso cobra alguns temas espec√≠ficos. O que fiz foi uma lista de obras que auxiliaram em minha prepara√ß√£o (e, al√©m disso, tamb√©m enumerei muitas sugest√Ķes que recebi, mas n√£o tive tempo ou vontade de ler ‚Äď o que tamb√©m significa que, por mais interessante que seja, voc√™ n√£o ter√° tempo de ler tudo o que lhe recomendam por a√≠, o que torna necess√°rio √© necess√°rio fazer algumas escolhas; minha inten√ß√£o √© auxili√°-lo nesse sentido, na medida do poss√≠vel).
Este documento √© de uso p√ļblico e livre, com reprodu√ß√£o parcial ou integral autorizada, desde que citada a fonte. Sem mais, passemos ao que interessa.
Parte I ‚Äď A Carreira de Diplomata
INTRODUÇÃO
Em primeiro lugar, r√°pida apresenta√ß√£o sobre mim. Meu nome √© Bruno Rezende, tenho 22 anos e fui aprovado no Concurso de Admiss√£o √† Carreira de Diplomata (CACD) de 2011. Sou graduado em Rela√ß√Ķes Internacionais pela Universidade de Bras√≠lia (turma LXII, 2007-20110), e n√£o tinha certeza de que queria diplomacia at√© o meio da universidade. N√£o sei dizer o que me fez escolher a diplomacia, n√£o era um sonho de inf√Ęncia ou coisa do tipo, e n√£o tenho familiares na carreira. Acho que me interessei por um conjunto de aspectos da carreira. Comecei a preparar-me para o CACD em meados de 2010, assunto tratado na Parte III, sobre a prepara√ß√£o para o concurso.
Para maiores informa√ß√Ķes sobre o Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores (MRE), sobre o Instituto Rio Branco (IRBr), sobre a vida de diplomata etc., voc√™ pode acessar os endere√ßos:
- P√°gina do MRE: http://www.itamaraty.gov.b
- P√°gina do IRBr: http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-b
- Canal do MRE no YouTube: http://www.youtube.com/mrebrasil/
- Blog ‚ÄúJovens Diplomatas‚ÄĚ: http://jovensdiplomatas.wordpress.com/
- Comunidade ‚ÄúCoisas da Diplomacia‚ÄĚ no Orkut (como o Orkut est√° ultrapassado, procurei reunir todas as informa√ß√Ķes √ļteis sobre o concurso que encontrei por l√° neste documento, para que voc√™s n√£o tenham de entrar l√°, para procurar essas informa√ß√Ķes):
http://www.orkut.com.bMain#Community?cmm=40073
- Comunidade ‚ÄúInstituto Rio Branco‚ÄĚ no Facebook: http://www.facebook.com/groups/institutoriobranco/
Com certeza, h√° v√°rios outros blogs (tanto sobre a carreira quanto sobre a vida de diplomata), mas n√£o conhe√ßo muitos. Se tiver sugest√Ķes, favor envi√°-las para [[email protected].](mailto:[email protected])
Al√©m disso, na obra O Instituto Rio Branco e a Diplomacia Brasileira: um estudo de carreira e socializa√ß√£o (Ed. FGV, 2007), a autora Cristina Patriota de Moura relata aspectos importantes da vida diplom√°tica daqueles que ingressam na carreira. H√° muitas informa√ß√Ķes desatualizadas (principalmente com rela√ß√£o ao concurso), mas h√° algumas coisas interessantes sobre a carreira, e o livro √© bem curto.
A DIPLOMACIA E O TRABALHO DO DIPLOMATA
Com a intensifica√ß√£o das rela√ß√Ķes internacionais contempor√Ęneas e com as mudan√ßas em curso no contexto internacional, a demanda de aprimoramento da coopera√ß√£o entre povos e pa√≠ses tem conferido destaque √† atua√ß√£o da diplomacia. Como o senso comum pode indicar corretamente, o
diplomata √© o funcion√°rio p√ļblico que lida com o aux√≠lio √† Presid√™ncia da Rep√ļblica na formula√ß√£o da pol√≠tica externa brasileira, com a condu√ß√£o das rela√ß√Ķes da Rep√ļblica Federativa do Brasil com os demais pa√≠ses, com a representa√ß√£o brasileira nos f√≥runs e nas organiza√ß√Ķes internacionais de que o pa√≠s faz parte e com o apoio aos cidad√£os brasileiros residentes ou em tr√Ęnsito no exterior. Isso todo mundo que quer fazer o concurso j√° sabe (assim espero).
Acho que existem certos mitos acerca da profiss√£o de diplomata. Muitos acham que n√£o ir√£o mais pagar multa de tr√Ęnsito, que n√£o poder√£o ser presos, que nunca mais pegar√£o fila em aeroporto etc. Em primeiro lugar, n√£o custa lembrar que as imunidades a que se referem as Conven√ß√Ķes de Viena sobre Rela√ß√Ķes Diplom√°ticas e sobre Rela√ß√Ķes Consulares s√≥ se aplicam aos diplomatas no exterior (e nos pa√≠ses em que est√£o acreditados). No Brasil, os diplomatas s√£o cidad√£os como quaisquer outros. Al√©m disso, imunidade n√£o √© sin√īnimo de impunidade, ent√£o n√£o ache que as imunidades s√£o as maiores vantagens da vida de um diplomata. O prop√≥sito das imunidades √© apenas o de tornar poss√≠vel o trabalho do diplomata no exterior, sem empecilhos m√≠nimos que poderiam obstar o bom exerc√≠cio da profiss√£o. Isso n√£o impede que diplomatas sejam revistados em aeroportos, precisem de vistos, possam ser julgados, no Brasil, por crimes cometidos no exterior etc.
Muitos tamb√©m pensam que ir√£o rodar o mundo em primeira classe, hospedar-se em pal√°cios suntuosos, passear de iate de luxo no Mediterr√Ęneo e comer caviar na cerim√īnia de casamento do pr√≠ncipe do Reino Unido. Outros ainda acham que ficar√£o ricos, investir√£o todo o dinheiro que ganharem na Bovespa e, com tr√™s anos de carreira, j√° estar√£o pr√≥ximos do segundo milh√£o. Se voc√™ quer ter tudo isso, voc√™ est√° no concurso errado, voc√™ precisa de um concurso n√£o para diplomata, mas para maraj√°. Obviamente, n√£o tenho experi√™ncia suficiente na carreira para dizer qualquer coisa, digo apenas o que j√° li e ouvi de diversos coment√°rios por a√≠. √Č fato que h√° carreiras p√ļblicas com sal√°rios mais altos. Logo, se voc√™ tiver o sonho de ficar rico com o sal√°rio de servidor p√ļblico, elas podem vir a ser mais √ļteis nesse sentido. H√° n√£o muito tempo, em 2006, a remunera√ß√£o inicial do Terceiro-Secret√°rio (cargo inicial da carreira de diplomata), no Brasil, era de R$ 4.615,53. Considerando que o custo de vida em Bras√≠lia √© bastante alto, n√£o dava para viver de maneira t√£o abastada, como alguns parecem pretender. √Č necess√°rio, entretanto, notar que houve uma evolu√ß√£o significativa no aspecto salarial, nos √ļltimos cinco anos (veja a se√ß~o seguinte, ‚ÄúCarreira e Salrios). De todo modo, j√° vi v√°rios diplomatas com muitos anos de carreira dizerem: ‚Äúse quiser ficar rico, procure outra profiss√£o‚ÄĚ. O sal√°rio atual ajuda, mas n√£o deve ser sua √ļnica motiva√ß√£o.
H um texto √≥timo dispon√≠vel na internet: ‚ÄúO que √© ser diplomata‚ÄĚ, de C√©sar Bonamigo, que reproduzo a seguir.
O Curso Rio Branco, que frequentei em sua primeira edi√ß√£o, em 1998, pediu-me para escrever sobre o que √© ser diplomata. Tarefa dif√≠cil, pois a mesma pergunta feita a diferentes diplomatas resultaria, seguramente, em respostas diferentes, umas mais glamourosas, outras menos, umas ressaltando as vantagens, outras as desvantagens, e n√£o seria diferente se a pergunta tratasse de outra carreira qualquer. Em vez de falar de minhas impress√Ķes pessoais, portanto, tentarei, na medida do poss√≠vel, reunir observa√ß√Ķes tidas como ‚Äúsenso comum‚ÄĚ entre diplomatas da minha gera√ß~o.
Considero muito importante que o candidato ao Instituto Rio Branco se informe sobre a realidade da carreira diplom√°tica, suas vantagens e desvantagens, e que dose suas expectativas de acordo. Uma expectativa bem dosada n√£o gera desencanto nem frustra√ß√£o. A carreira oferece um pacote de coisas boas (como a oportunidade de conhecer o mundo, de atuar na √°rea pol√≠tica e econ√īmica, de conhecer gente interessante etc.) e outras n√£o t√£o boas (uma certa dose de burocracia, de hierarquia e dificuldades no equacionamento da vida familiar). Cabe ao candidato inferir se esse pacote poder√° ou n√£o faz√™-lo feliz.
O PAPEL DO DIPLOMATA
Para se compreender o papel do diplomata, vale recordar, inicialmente, que as grandes diretrizes da pol√≠tica externa s√£o dadas pelo Presidente da Rep√ļblica, eleito diretamente pelo voto popular, e pelo Ministro das Rela√ß√Ķes Exteriores, por ele designado. Os diplomatas s√£o agentes pol√≠ticos do Governo, encarregados da implementa√ß√£o dessa pol√≠tica externa. S√£o tamb√©m servidores p√ļblicos, cuja fun√ß√£o, como diz o nome, √© servir, tendo em conta sua especializa√ß√£o nos temas e fun√ß√Ķes diplom√°ticos.
Como se sabe, √© fun√ß√£o da diplomacia representar o Brasil perante a comunidade internacional. Por um lado, nenhum diplomata foi eleito pelo povo para falar em nome do Brasil. √Č importante ter em mente, portanto, que a legitimidade de sua a√ß√£o deriva da legitimidade do Presidente da Rep√ļblica, cujas orienta√ß√Ķes ele deve seguir. Por outro lado, os governos se passam e o corpo diplom√°tico permanece, constituindo elemento importante de continuidade da pol√≠tica externa brasileira. √Č tarefa essencial do diplomata buscar identificar o ‚Äúinteresse nacional‚ÄĚ. Em negocia√ß√Ķes internacionais, a diplomacia frequentemente precisa arbitrar entre interesses de diferentes setores da sociedade, n√£o raro divergentes, e ponderar entre objetivos econ√īmicos, pol√≠ticos e estrat√©gicos, com vistas a identificar os interesses maiores do Estado brasileiro.
Se, no plano externo, o Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores √© a face do Brasil perante a comunidade de Estados e Organiza√ß√Ķes Internacionais, no plano interno, ele se relaciona com a Presid√™ncia da Rep√ļblica, os demais Minist√©rios e √≥rg√£os da administra√ß√£o federal, o Congresso, o Poder Judici√°rio, os Estados e Munic√≠pios da Federa√ß√£o e, naturalmente, com a sociedade civil, por meio de Organiza√ß√Ķes N√£o Governamentais (ONGs), da Academia e de associa√ß√Ķes patronais e trabalhistas, sempre tendo em vista a identifica√ß√£o do interesse nacional.
O TRABALHO DO DIPLOMATA
Tradicionalmente, as fun√ß√Ķes da diplomacia s√£o representar (o Estado brasileiro perante a comunidade internacional), negociar (defender os interesses brasileiros junto a essa comunidade) e informar (a Secretaria de Estado, em Bras√≠lia, sobre os temas de interesse brasileiro no mundo). S√£o tamb√©m fun√ß√Ķes da diplomacia brasileira a defesa dos interesses dos cidad√£os brasileiros no exterior, o que √© feito por meio da rede consular, e a promo√ß√£o de interesses do Pa√≠s no exterior, tais como interesses econ√īmico-comerciais, culturais, cient√≠ficos e tecnol√≥gicos, entre outros.
No exerc√≠cio dessas diferentes fun√ß√Ķes, o trabalho do diplomata poder√° ser, igualmente, muito variado. Para come√ßar, cerca de metade dos mil1 diplomatas que integram o Servi√ßo Exterior atua no Brasil, e a outra metade nos Postos no exterior (Embaixadas, Miss√Ķes, Consulados e Vice-Consulados). Em Bras√≠lia, o diplomata desempenha fun√ß√Ķes nas √°reas pol√≠tica, econ√īmica e administrativa, podendo cuidar de temas t√£o diversos quanto com√©rcio internacional, integra√ß√£o regional (Mercosul), pol√≠tica bilateral (relacionamento do Brasil com outros pa√≠ses e blocos), direitos humanos, meio ambiente ou administra√ß√£o f√≠sica e financeira do Minist√©rio. Poder√° atuar, ainda, no Cerimonial (organiza√ß√£o dos encontros entre autoridades brasileiras e estrangeiras, no Brasil e no exterior) ou no relacionamento do Minist√©rio com a sociedade (imprensa, Congresso, Estados e munic√≠pios, Academia, etc.).
No exterior, tamb√©m, o trabalho depender√° do Posto em quest√£o. As Embaixadas s√£o representa√ß√Ķes do Estado brasileiro junto aos outros Estados, situadas sempre nas capitais, e desempenham as fun√ß√Ķes tradicionais da diplomacia (representar, negociar, informar), al√©m de promoverem o Brasil junto a esses Estados. Os Consulados, Vice-Consulados e setores consulares de Embaixadas podem situar-se na capital do pa√≠s ou em outra cidade onde haja uma comunidade brasileira expressiva. O trabalho nesses Postos √© orientado √† defesa dos interesses dos cidad√£os brasileiros no exterior. Nos Postos multilaterais (ONU, OMC, FAO, UNESCO, UNICEF, OEA etc.), que podem ter natureza pol√≠tica, econ√īmica ou estrat√©gica, o trabalho envolve, normalmente, a representa√ß√£o e a negocia√ß√£o dos interesses nacionais.
O INGRESSO NA CARREIRA
A carreira diplom√°tica se inicia, necessariamente, com a aprova√ß√£o no concurso do Instituto Rio Branco (Informa√ß√Ķes sobre o concurso podem ser obtidas no site http://www2.mre.gov.birbindex.htm). Para isso, s√≥ conta a compet√™ncia ‚Äď e, talvez, a sorte ‚Äď do candidato. Indica√ß√Ķes pol√≠ticas n√£o ajudam.
AS REMO√á√ēES
Ap√≥s os dois anos de forma√ß√£o no IRBr , o diplomata trabalhar√° em Bras√≠lia por pelo menos um ano. Depois, iniciam-se ciclos de mudan√ßa para o exterior e retornos a Bras√≠lia. Normalmente, o diplomata vai para o exterior, onde fica tr√™s anos em um Posto, mais tr√™s anos em outro Posto, e retorna a Bras√≠lia, onde fica alguns anos, at√© o in√≠cio de novo ciclo. Mas h√° espa√ßo para flexibilidades. O diplomata poder√° sair para fazer um Posto apenas, ou fazer tr√™s Postos seguidos antes de retornar a Bras√≠lia. Isso depender√° da conveni√™ncia pessoal de cada um. Ao final da carreira, o diplomata ter√° passado v√°rios anos no exterior e v√°rios no Brasil, e essa propor√ß√£o depender√° essencialmente das escolhas feitas pelo pr√≥prio diplomata. Para evitar que alguns diplomatas fiquem sempre nos ‚Äúmelhores Postos‚ÄĚ ‚Äď um crit√©rio, ali√°s, muito relativo ‚Äď e outros em Postos menos privilegiados, os Postos no exterior est√£o divididos em [quatro] categorias, [A, B, C e D], obedecendo a crit√©rios n√£o apenas de qualidade de vida, mas tamb√©m geogr√°ficos, e √© seguido um sistema de rod√≠zio: ap√≥s fazer um Posto C, por exemplo, o diplomata ter√° direito a fazer um Posto A [ou B], e ap√≥s fazer um Posto A, ter√° que fazer um Posto [B, C ou D].
AS PROMO√á√ēES
Ao tomar posse no Servi√ßo Exterior, o candidato aprovado no concurso torna-se Terceiro-Secret√°rio. √Č o primeiro degrau de uma escalada de promo√ß√Ķes que inclui, ainda, Segundo-Secret√°rio, Primeiro-
-Secret√°rio, Conselheiro, Ministro de Segunda Classe (costuma-se dizer apenas ‚ÄúMinistro‚ÄĚ) e Ministro de Primeira Classe (costuma-se dizer apenas ‚ÄúEmbaixador‚ÄĚ), nessa ordem. Exceto pela primeira promo√ß√£o, de Terceiro para Segundo-Secret√°rio, que se d√° por tempo (quinze Terceiros Secret√°rios s√£o promovidos a cada semestre), todas as demais dependem do m√©rito, bem como da articula√ß√£o pol√≠tica do diplomata. Nem todo diplomata chega a Embaixador. Cada vez mais, a competi√ß√£o na carreira √© intensa e muitos ficam no meio do caminho. Mas, n√£o se preocupem e tamb√©m n√£o se iludam: a felicidade n√£o est√° no fim, mas ao longo do caminho!
DIRECIONAMENTO DA CARREIRA
Um questionamento frequente diz respeito √† possibilidade de direcionamento da carreira para √°reas espec√≠ficas. √Č poss√≠vel, sim, direcionar uma carreira para um tema (digamos, com√©rcio internacional, direitos humanos, meio ambiente etc.) ou mesmo para uma regi√£o do mundo (como a √Āsia, as Am√©ricas ou a √Āfrica, por exemplo), mas isso n√£o √© um direito garantido e poder√° n√£o ser sempre poss√≠vel. √Č preciso ter em mente que a carreira diplom√°tica envolve aspectos pol√≠ticos, econ√īmicos e administrativos, e que existem fun√ß√Ķes a serem desempenhadas em postos multilaterais e bilaterais em todo o mundo, e n~o s√≥ nos pa√≠ses mais ‚Äúinteressantes‚ÄĚ. Diplomatas est~o envolvidos em todas essas variantes e, ao longo de uma carreira, ainda que seja poss√≠vel uma certa especializa√ß√£o, √© prov√°vel que o diplomata, em algum momento, atue em √°reas distintas daquela em que gostaria de se concentrar.
ASPECTOS PR√ĀTICOS E PESSOAIS
√Č claro que a vida √© muito mais que promo√ß√Ķes e remo√ß√Ķes, e √© inevit√°vel que o candidato queira saber mais sobre a carreira que o papel do diplomata. Todos precisamos cuidar do nosso dinheiro, da sa√ļde, da fam√≠lia, dos nossos interesses pessoais. Eu tentarei trazem um pouco de luz sobre esses aspectos.
DINHEIRO
Comecemos pelo dinheiro, que √© assunto que interessa a todos. Em termos absolutos, os diplomatas ganham mais quando est√£o no exterior do que quando est√£o em Bras√≠lia. O sal√°rio no exterior, no entanto, √© ajustado em fun√ß√£o do custo de vida local, que √© frequentemente maior que no Brasil. Ou seja, ganha-se mais, mas gasta-se mais. Se o diplomata conseguir√° ou n√£o economizar depender√° i) do sal√°rio espec√≠fico do Posto , ii) do custo de vida local, iii) do c√Ęmbio entre a moeda local e o d√≥lar, iv) do fato de ele ter ou n√£o um ou mais filhos na escola e, principalmente, v) de sua propens√£o ao consumo. Aqui, n√£o h√° regra geral. No Brasil, os sal√°rios t√™m sofrido um constante desgaste, especialmente em compara√ß√£o com outras carreiras do Governo Federal, frequentemente obrigando o diplomata a economizar no exterior para gastar em Bras√≠lia, se quiser manter seu padr√£o de vida. Os diplomatas, enfim, levam uma vida de classe m√©dia alta, e a certeza de que n√£o se ficar√° rico de verdade √© compensada pela estabilidade do emprego (que n√£o √© de se desprezar, nos dias de hoje) e pela expectativa de que seus filhos (quando for o caso) ter√£o uma boa educa√ß√£o, mesmo para padr√Ķes internacionais.
SA√öDE
Os diplomatas t√™m um seguro de sa√ļde internacional que, como n√£o poderia deixar de ser, tem vantagens e desvantagens. O lado bom √© que ele cobre consultas com o m√©dico de sua escolha, mesmo que seja um centro de excel√™ncia internacional. O lado ruim √© que, na maioria das vezes, √© preciso fazer o desembolso (at√© um teto determinado) para depois ser reembolsado, geralmente em 80% do valor, o que obriga o diplomata a manter uma reserva financeira de seguran√ßa.
FAM√ćLIA : O C√ĒNJUGE
Eu mencionei, entre as coisas n~o t~o boas da carreira, ‚Äúdificuldades no equacionamento da vida familiar‚ÄĚ. A primeira dificuldade √© o que far√° o seu c√īnjuge (quando for o caso) quando voc√™s se mudarem para Bras√≠lia e, principalmente, quando forem para o exterior. Num mundo em que as fam√≠lias dependem, cada vez mais, de dois sal√°rios, equacionar a carreira do c√īnjuge √© um problema recorrente. Ao contr√°rio de certos pa√≠ses desenvolvidos, o Itamaraty n√£o adota a pol√≠tica de empregar ou pagar sal√°rios a c√īnjuges de diplomatas. Na pr√°tica, cada um se vira como pode. Em alguns pa√≠ses √© poss√≠vel trabalhar. Fazer um mestrado ou doutorado √© uma op√ß√£o. Ter filhos √© outra...
Mais uma vez, n√£o h√° regra geral, e cada caso √© um caso. O equacionamento da carreira do c√īnjuge costuma afetar principalmente ‚Äď mas n√£o apenas ‚Äď as mulheres, j√° que, por motivos culturais, √© mais comum o a mulher desistir de sua carreira para seguir o marido que o contr√°rio2.
CASAMENTO ENTRE DIPLOMATAS
Os casamentos entre diplomatas n√£o s√£o raros. √Č uma situa√ß√£o que tem a vantagem de que ambos t√™m uma carreira e o casal tem dois sal√°rios. A desvantagem √© a dificuldade adicional em conseguir que ambos sejam removidos para o mesmo Posto no exterior. A quest√£o n√£o √© que o Minist√©rio v√° separar esses casais, mas que se pode levar mais tempo para conseguir duas vagas num mesmo Posto. Antigamente, eram frequentes os casos em que as mulheres interrompiam temporariamente suas carreiras para acompanhar os maridos. Hoje em dia, essa situa√ß√£o √© exce√ß√£o, n√£o a regra.
FILHOS
N√£o posso falar com conhecimento de causa sobre filhos, mas vejo o quanto meus colegas se desdobram para dar-lhes uma boa educa√ß√£o. Uma quest√£o central √© a escolha da escola dos filhos, no Brasil e no exterior. No Brasil, a escola ser√° normalmente brasileira, com ensino de idiomas, mas poder√° ser a americana ou a francesa, que mant√©m o mesmo curr√≠culo e os mesmos per√≠odos escolares em quase todo o mundo. No exterior, as escolas americana e francesa s√£o as op√ß√Ķes mais frequentes,
podendo-se optar por outras escolas locais, dependendo do idioma. Outra questão, já mencionada, é o custo da escola. Atualmente, não existe auxílio-educação para filhos de diplomatas ou de outros Servidores do Serviço Exterior brasileiro, e o dinheiro da escola deve sair do próprio bolso do servidor.
C√ČSAR AUGUSTO VERMIGLIO BONAMIGO - Diplomata. Engenheiro Eletr√īnico formado pela UNICAMP. P√≥s- graduado em Administra√ß√£o de Empresas pela FGV-SP. Programa de Forma√ß√£o e Aperfei√ßoamento - I (PROFA -
I) do Instituto Rio Branco, 2000/2002. No Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores, atuou no DIC - Divis√£o de Informa√ß√£o Comercial (DIC), 2002; no DNI - Departamento de Negocia√ß√Ķes Internacionais, 2003, e na DUEX - Divis√£o de Uni√£o Europeia e Negocia√ß√Ķes Extrarregionais. Atualmente, serve na Miss√£o junto √† ONU (DELBRASONU), em NYC.
2 Conforme comunicado do MRE de 2010, é permitida a autorização para que diplomatas brasileiros solicitem passaporte diplomático ou de serviço e visto de permanência a companheiros do mesmo sexo. Outra resolução, de 2006, já permitia a inclusão de companheiros do mesmo sexo em planos de assistência médica.
Para tornar-se diplomata, √© necess√°rio ser aprovado no Concurso de Admiss√£o √† Carreira de Diplomata (CACD), que ocorre todos os anos, no primeiro semestre (normalmente). O n√ļmero de vagas do CACD, em condi√ß√Ķes normais, depende da vac√Ęncia de cargos. Acho que a quantidade normal deve girar entre 25 e 35, mais ou menos. Desde meados dos anos 2000, como consequ√™ncia da aprova√ß√£o de uma lei federal, o Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores (MRE/Itamaraty3) ampliou seus quadros da carreira de diplomata, e, de 2006 a 2010, foram oferecidas mais de cem vagas anuais. Com o fim dessa provis√£o de cargos, o n√ļmero de vagas voltou ao normal em 2011, ano em que foram oferecidas apenas 26 vagas (duas delas reservadas a portadores de defici√™ncia f√≠sica4). Para os pr√≥ximos concursos, h√° perspectivas de aprova√ß√£o de um projeto de lei que possibilitar√° uma oferta anual prevista de 60 vagas para o CACD, al√©m de ampliar, tamb√©m, as vagas para Oficial de Chancelaria (PL 7579/2010). Oficial de Chancelaria, aproveitando que citei, √© outro cargo (tamb√©m de n√≠vel superior) do MRE, mas n√£o integra o quadro diplom√°tico. A remunera√ß√£o do Oficial de Chancelaria, no Brasil, √© inferior √† de Terceiro-Secret√°rio, mas os sal√°rios podem ser razo√°veis quando no exterior. J√° vi muitos casos de pessoas que passam no concurso de Oficial de Chancelaria e ficam trabalhando no MRE, at√© que consigam passar no CACD, quando (a√≠ sim) tornam-se diplomatas.
Para fazer parte do corpo diplom√°tico brasileiro, √© necess√°rio ser brasileiro nato, ter diploma v√°lido de curso superior (caso a gradua√ß√£o tenha sido realizada em institui√ß√£o estrangeira, cabe ao candidato providenciar a devida revalida√ß√£o do diploma junto ao MEC) e ser aprovado no CACD (h√°, tamb√©m, outros requisitos previstos no edital do concurso, como estar no gozo dos direitos pol√≠ticos, estar em dia com as obriga√ß√Ķes eleitorais, ter idade m√≠nima de dezoito anos, apresentar aptid√£o f√≠sica e mental para o exerc√≠cio do cargo e, para os homens, estar em dia com as obriga√ß√Ķes do Servi√ßo Militar). Os aprovados entram para a carreira no cargo de Terceiro-Secret√°rio (vide hierarquia na pr√≥xima se√ß~o, ‚ÄúCarreira e Salrios‚ÄĚ). Os aprovados no CACD, entretanto, n√£o iniciam a carreira trabalhando: h√°, inicialmente, o chamado Curso de Forma√ß√£o, que se passa no Instituto Rio Branco (IRBr). Por tr√™s semestres, os aprovados no CACD estudar√£o no IRBr, j√° recebendo o sal√°rio de Terceiro-Secret√°rio (para remunera√ß√Ķes, ver a pr√≥xima se√ß~o, ‚ÄúHierarquia e Salrios).
O trabalho no Minist√©rio come√ßa apenas ap√≥s um ou dois semestres do Curso de Forma√ß√£o no IRBr (isso pode variar de uma turma para outra), e a designa√ß√£o dos locais de trabalho (veja as subdivis√Ķes do MRE na p√°gina seguinte) √© feita, via de regra, com base nas prefer√™ncias individuais e na ordem de classifica√ß√£o dos alunos no Curso de Forma√ß√£o.
3 O nome ‚ÄúItamaraty‚ÄĚ vem do nome do antigo proprietrio da sede do Minist√©rio no Rio de Janeiro, o Bar~o Itamaraty. Por meton√≠mia, o nome pegou, e o Pal√°cio do Itamaraty constitui, atualmente, uma depend√™ncia do MRE naquela cidade, abrigando um arquivo, uma mapoteca e a sede do Museu Hist√≥rico e Diplom√°tico. Em Bras√≠lia, o Pal√°cio Itamaraty, projetado por Oscar Niemeyer e inaugurado em 1970, √© a atual sede do MRE. Frequentemente, ‚ÄúItamaraty‚ÄĚ √© usado como sin√īnimo de Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores.
4 Todos os anos, h√° reserva de vagas para deficientes f√≠sicos. Se n√£o houver n√ļmero suficiente de portadores de defici√™ncia que atendam √†s notas m√≠nimas para aprova√ß√£o na segunda e na terceira fases do concurso, que t√™m car√°ter eliminat√≥rio, a(s) vaga(s) restante(s) √©(s√£o) destinada(s) aos candidatos da concorr√™ncia geral.
O IRBr foi criado em 1945, em comemoração ao centenário de nascimento do Barão do Rio Branco, patrono da diplomacia brasileira. Como descrito na página do Instituto na internet, seus principais objetivos são:
‚ÄĘ harmonizar os conhecimentos adquiridos nos cursos universit√°rios com a forma√ß√£o para a carreira diplom√°tica (j√° que qualquer curso superior √© v√°lido para prestar o CACD);
‚ÄĘ desenvolver a compreens√£o dos elementos b√°sicos da formula√ß√£o e execu√ß√£o da pol√≠tica externa brasileira;
‚ÄĘ iniciar os alunos nas pr√°ticas e t√©cnicas da carreira.
No Curso de Forma√ß√£o (cujo nome oficial √© PROFA-I, Programa de Forma√ß√£o e Aperfei√ßoamento - obs.: n~o sei o motivo do ‚ÄúI‚ÄĚ, n~o existe ‚ÄúPROFA-II‚ÄĚ), os diplomatas t√™m aulas obrigat√≥rias de: Direito Internacional P√ļblico, Linguagem Diplom√°tica, Teoria das Rela√ß√Ķes Internacionais, Economia, Pol√≠tica Externa Brasileira, Hist√≥ria das Rela√ß√Ķes Internacionais, Leituras Brasileiras, Ingl√™s, Franc√™s e Espanhol. H√°, ainda, diversas disciplinas optativas √† escolha de cada um (como Chin√™s, Russo, √Ārabe, Tradu√ß√£o, Organiza√ß√Ķes Internacionais, OMC e Contenciosos, Pol√≠ticas P√ļblicas, Direito da Integra√ß√£o, Negocia√ß√Ķes Comerciais etc.). As aulas de disciplinas conceituais duram dois semestres. No terceiro semestre de Curso de Forma√ß√£o, s√≥ h√° aulas de disciplinas profissionalizantes. O trabalho no MRE come√ßa, normalmente, no segundo ou no terceiro semestre do Curso de Forma√ß√£o (isso pode variar de uma turma para outra). √Č necess√°rio rendimento m√≠nimo de 60% no PROFA-I para aprova√ß√£o (mas √© praticamente imposs√≠vel algu√©m conseguir tirar menos que isso). Ap√≥s o t√©rmino do PROFA-I, come√ßa a vida de trabalho propriamente dito no MRE. J√° ouvi um mito de pedida de dispensa do PROFA I para quem j√° √© portador de t√≠tulo de mestre ou de doutor, mas, na pr√°tica, acho que isso n√£o acontece mais.
Entre 2002 e 2010, foi possível fazer, paralelamente ao Curso de Formação, o mestrado em diplomacia (na prática, significava apenas uma matéria a mais). Em 2011, o mestrado em diplomacia no IRBr acabou.
Uma das atividades comuns dos estudantes do IRBr √© a publica√ß√£o da Juca, a revista anual dos alunos do Curso de Forma√ß√£o do Instituto. Segundo informa√ß√Ķes do site do IRBr, ‚Äú[o] termo ‚ÄėDiplomacia e Humanidades‚Äô define os temas de que trata a revista: diplomacia, ci√™ncias humanas, artes e cultura. A JUCA visa a mostrar a produ√ß√£o acad√™mica, art√≠stica e intelectual dos alunos da academia diplom√°tica brasileira, bem como a recuperar a mem√≥ria da pol√≠tica externa e difundi-la nos meios diplom√°tico e acad√™mico‚ÄĚ. Confira a p√°gina da Juca na internet, no endere√ßo: http://juca.irbr.itamaraty.gov.bpt-bMain.xml.
Para saber mais sobre a vida de diplomata no Brasil e no exterior, sugiro a conhecida ‚ÄúFAQ do Godinho‚ÄĚ (‚ÄúFAQ do Candidato a Diplomata‚ÄĚ, de Renato Domith Godinho), dispon√≠vel para download no link: http://relunb.files.wordpress.com/2011/08/faq-do-godinho.docx. Esse arquivo foi escrito h√° alguns anos, ent√£o algumas coisas est√£o desatualizadas (com rela√ß√£o √†s modifica√ß√Ķes do concurso, especialmente). De todo modo, a parte sobre o trabalho do diplomata continua bem informativa e atual.
MEUS ESTUDOS PARA O CACD ‚Äď http://relunb.wordpress.com
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]